BULLYING
 
CYBERBULLYING
Apresenta roupas molhadas ou rasgadas   Não tem
Tem seus objetos roubados   Não tem
Apresenta ferimentos   Não tem
Pode ser evitado, interrompido   Não dá para impedir uma ação sem saber quem é o autor, é anônimo.
Agressor é o valentão, manipula e tem ajuda de outros   Agressor é solitário, quando lança na rede.
Agressor, vítima e algumas testemunhas   Agressor, vítima e muitos espectadores.
As testemunhas fingem que não vêem   Os espectadores reagem rapidamente, viram co-autores.
As testemunhas ficam com medo   Os espectadores não têm medo.
A vítima demora a reagir, há casos de três anos em que a vítima ficou calada   A vítima reage mais rápido, a perseguição é implacável, não suporta muito tempo
Longe dos pais, difícil para os pais descobrirem   Mais fácil para os pais detectarem, pelo comportamento e as reações fisionômicas
Na sala de aula, corredores, pátio, caminho de casa e transporte escolar   Através do celular e computador
Horários específicos   Durante 24 horas
Pede ajuda às vezes ou nunca   Pede ajuda mais rápido ou nunca
A vítima sabe quem é o agressor   A vítima não sabe quem é o agressor
É frequente   É mais frequente
Não é veloz   É veloz



Autora: Aloma Felizardo, extraído do livro Cyberbullying: Difamação na velocidade da luz. São Paulo: Willem Books, 2010.

Voltar